Indicação de Leitura- Inverno na Manhã e O Diário de Anne Frank.

terça-feira, 19 de março de 2013

Bom dia gente, hoje a indicação de leitura traz dois livros que são autobiografias, de certo modo e tratam de um tema que eu procuro pesquisar bastante e que apesar dos horrores, gosto muito. Ambos os livros dos quais irei falar tratam da Segunda Guerra mundial e o holocausto judeu.  Um deles vocês provavelmente já ouviram falar, ele é O Diário de Anne Frank. O outro é um pouco menos conhecido, mas eu gostei mais que o primeiro.




Bom, diário de Anne Frank é praticamente um clássico e é indicado várias vezes para leituras escolares, acho que quem não leu, deveria pois é muito bom. Ele mostra bem como era a vida e a mente de uma garota de 12 anos perseguida pelos nazistas. Porém, ele é apenas isso. Hmm, como vou explicar...


Neste livro, podemos observar de maneira bem pessoal como foi o desenvolvimento da adolescência de Anne; suas paixões, medos, descobertas. A garota vive escondida grande parte do tempo em que a história é narrada. Ela vive a guerra, mas de uma maneira mais humana do que a personagem de Inverno na Manhã, uma polonesa judia chamada Janina Bauman que viveu na rua, no gueto, passou fome e comeu ratos. Anne está protegida, vive sempre com medo, é verdade, mas está escondida e tem comida. A vida dela durante a guerra foi menos difícil do que a de Janina, na minha opinião. Anne perdeu parentes, sofreu, teve que racionar a comida, viu seus direitos serem tomados cada vez mais todo dia. Porém, a polonesa protagonista de Inverno na Manhã viu seus pais perderem tudo, o apartamento de sua família ser invadido. Foi transferida pelo gueto, teve que contrabandear alimentos, viu seus parentes serem mortos, suas amigas estupradas. No começo trabalhava horas para poder alimentar a família, depois viveu na clandestinidade.




Vejam bem, não estou de maneira nenhuma diminuindo o sofrimento de Anne, porém acho que ela teve mais sorte que Janina, pelo menos até o fim. Ambas viveram intensamente a guerra, mas a segunda presenciou muito mais enquanto Anne estava escondida. Podemos ver como foi sua vida apenas pelo trecho de uma entrevista: "Se eu tivesse conhecido Anne durante a guerra, eu a teria invejado. Ela não teve que vagar pelas ruas em busca de algo para comer ou de algum lugar para se esconder. Ela 
estava relativamente segura em seu esconderijo. Ela tinha o pai ao seu lado, - o de Janina morreu lutando na guerra - disso eu realmente sinto inveja. Que eu tenha sobrevivido e ela não, isso é um acaso cruel- eu apenas tive sorte."
Na época do início da guerra, Janina tinha 13 anos e Anne 12. A primeira fugiu e sofreu muito, mas sobreviveu. A segunda viveu três anos escondidas até morrer em um campo de concentração vítima de tifo pouco tempo antes da libertação do campo de Bergen - Belsen. No final de O diário de Anne Frank, há duas/ três páginas narrando o que aconteceu com cada um dos oito habitantes do anexo onde a menina ficou escondida.
Algumas diferenças pontuais...

  • O livro O Diário de Anne Frank foi editado pelo pai de Anne - Otto Frank -, único sobrevivente e na primeira versão ele ocultou as passagens mais íntimas que sua filha havia escrito. Enquanto Inverno na Manhã foi editado pela própria autora. Porém, ambos vieram de diários.
  • Anne era alemã; Janina polonesa. 
  • Anne ficou escondida durante três anos até ser levada para o campo de concentração onde morreu de tifo; Janina foi para o gueto, se escondeu em sótãos e porões, atrás de armários durante 6 meses até o fim da guerra. Ela sobreviveu. 
  • Anne teve ajuda de um grupo bem limitado de pessoas que eram extremamente fieis; Janina foi obrigada a confiar em muitas pessoas estranhas, pois mudava-se constantemente (mudava de esconderijo). Foi traída, mas também viu que havia pessoas éticas.

Algumas semelhanças pontuais...


  • Ambas eram judias.
  • Ambas perderem parentes com o anti-semitismo. 
  • Ambas sofreram com os terrores da guerra. 
  • Ambas viraram história.

Como eu falei antes, temos algumas diferenças. Um é mais um relato sentimental, ou outro é mais da guerra. Podemos notar isso nos trechos abaixo: 

No dia 15 de maio os nazistas explodiram a sinagoga da rua Tlomackie para assinalar sua vitória sobre os judeus de Varsóvia. A caçada aos sobreviventes se intensificava.
Janina
Anne

Minhas noites eram agora atormentadas por pensamentos torturantes e pesadelos horríveis. Uma vez vi Roman em meu sonho. Vivíamos juntos num quartinho, escondendo-nos tanto dos nazistas quanto dos vizinhos, que poderiam descobrir que dormíamos na mesma cama. No meu sono, ouvi uma violenta batida na porta e acordei aterrorizada. - Inverno na Manhã


 Criticam tudo, e quero dizer mesmo tudo, sobre mim: o meu comportamento, a minha personalidade, as minhas maneiras; cada centrimetro de mim, da cabeça aos pés, dos pés à cabeça, é objecto de mexericos e debates. São-me constantemente lançadas palavras duras e gritos, embora eu não esteja habituada a isso. Segundo as autoridades definidas, eu devia sorrir e aguentar. -O diário de Anne Frank


Gente, espero que tenham gostado e que leiam os livros, quem ainda não leu. São tristes, realistas, mas acho que necessários para cada um.

Até a próxima indicação de leitura.

-carol

3 comentários:

  1. Oi Carol! Adorei a postagem, super completa. Sabe que este foi o livro que me fez chora pela primeira vez na vida, li quando tinha uns doze ou treze anos. Jamais esqueci.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Fran, eu li esse livro mais ou menos com a mesma idade. Inverno na Manhã foi um pouco depois. Chorei em ambos, mas mais no segundo. É um pouco mais forte. Ambos são lindos! Vale a pena ler!

    ResponderExcluir
  3. Gente estou lendo o Inverno na manhã e é um livro simplesmente perfeito, cara esse livro deveria ser um clássico da literatura...

    ResponderExcluir

Blog contents © Literaclub 2012. Blogger Theme by Nymphont.